terça-feira, julho 20, 2010

A periferia francesa já está a arder?

Cinco anos depois da revolta dos "banlieues", nada mudou em França. Desta vez, os incidentes tiveram lugar na cidade de Grenoble e num dormitório desta (Saint Aignam), com a maioria da população cigana. Tudo começou, como em 2005, dois moradores baleados pela polícia. Paris agora envia soldados no lugar de policias. Sarko mostra a musculatura e quem manda.

É cíclico. E com as temperaturas a subir no verão, os subúrbios de Paris queimam novamente, quando a polícia tentou atravessar certos limiares dos dormitórios da capital, claro tornou-se o objectivo de ataques de jovens marginalizados, que estão desempregados há muito tempo. A insatisfação reina na periferia, o desemprego é mato.

A violência nocturna estendeu-se à cidade provincial de Grenoble (o Estado francês), que coincidiu com uma revolta na pequena cidade de Saint-Aignan, no centro do hexágono. Ambas as revoltas, como praticamente todas, as que surgiram desde o final de 2005, tem o mesmo lugar comum: a morte por tiros disparados pela polícia.

Os combates começaram em Grenoble, na última quinta-feira após a morte de Karim Boudouda, de 27 anos, que morreu devido a disparos da polícia, que o alvejou a ele e a outra pessoa, quando ele fugiu, após ter sido mandar parar.

Ainda segundo a versão da polícia, o morto, que teria sido condenado três vezes por assalto à mão armada, teria assaltado o cassino Uriage-les-Bains, na noite de quinta-feira para sexta-feira.

"Auto-defesa"

A polícia insistiu em que disparou em "legítima defesa" contra o jovem, originário da área de Villeneuve, um bairro popular de cerca de 15.000 habitantes construído no sul de Grenoble, nos anos setenta e que agora tem uma elevada percentagem de população imigrante.

Grupos de jovens do bairro dirigiram-se para o centro da cidade, com 150.000 habitantes, para protestar contra o que eles vêem como uma execução extrajudicial. Como resultado dos confrontos da primeira noite, uma concessionária de automóveis e um número indeterminado de carros foram queimados. A luta continuou durante os dias seguintes, apesar da implantação no terreno de 200 agentes especiais e de um helicóptero da polícia francesa RAID e coincidindo com a visita no sábado, do ministro do Interior francês, Brice Hortefeux.

A mãe do jovem morto, veio à tona no domingo, e pediu calma depois de anunciar a apresentação de uma queixa contra a polícia.

Apesar da redução de tensão, um carro da polícia francesa foi baleado na madrugada de segunda-feira, a quarta noite consecutiva de confrontos.

A filmagem de veículos e pessoas pela polícia não produziu vítimas, como indicado por fontes oficiais, que relatou que, no total, foram incendiadas na sexta-feira cerca de oitenta carros. A polícia francesa pensa assim identificar os meliantes para posterior responsabilização criminal.

Ontem, três pessoas foram presas. Desde o inicio dos incidentes que se encontram presos vinte jovens, que foram apresentados a um juiz tendo sido indiciados por tentativa de assalto a uma empresa na área, na noite de sexta-feira.

Longe das banlieues stricto sensu, na pequena cidade de Saint-Agni, uma crise similar irrompeu na noite de sábado. O motivo da revolta foi o assassinato de Luigi Duquenet, jovem cigano de 22 anos morto pela polícia num incidente não oficialmente reportado.

Segundo a versão da polícia publicado pela imprensa francesa, o jovem a bordo de um veículo não teria parado numa barreira policial, tendo levado sobre a capota do seu automóvel um policia durante mais de 1,5 km, até que este caiu sobre o asfalto, ficando levemente ferido. Segundo esta versão, desta vez com outra pessoa, o passageiro do carro, ele teria que parar num sinal de controlo, mas de repente acelerou o automóvel e lançou-o contra os dois gendarmes. Um deles disparou dois tiros contra o veículo, que continuou a sua marcha. No entanto, dois policiais estão sob custódia.

O corpo de Duquenet foi encontrado em Saint-Romain-sur-Cher, a dezenas de quilómetros do local do tiroteio.

Na tarde de domingo, dezenas de amigos e parentes do falecido marcharam pelo centro da cidade e destruiu a fachada da delegacia de polícia local. A polícia disse que foram queimados inúmeros veículos, e foram provocados danos ao mobiliário urbano e a diversas árvores no local, pela multidão enfurecida.

Como há cinco anos atrás será que o verão quente que varreu o centro da Europa e as periferias da s grandes cidades regressou?

O governo francês ordenou o envio de 300 soldados e dois helicópteros militares para patrulhar a área.

Há uns anos atrás, John Carpenter realizou um filme, o “Assalto à 13ª Esquadra”. Cada vez mais as periferias das grandes cidades, um pouco por todo lado, se assemelham cada vez mais a estúdios de cinema, com diferentes géneros em exibição desde o filme negro, ao policial mais soturno.

Será que os excluídos serão os culpados da presente situação?

Ou cada vez mais a periferia vai tomando conta do centro engolindo-o e mergulhando toda a população na marginalidade, sendo esta cercada, isolada com arame farpado, em modernos campos de concentração sob vigilância policial e militar, à semelhança de “Escape from New York”, de John Carpenter. A realidade e a ficção ameaçam misturar-se um pouco por todo o lado, à medida que a bagunça, a pobreza, o desemprego, a falência do sistema, a fome e o caos vai tomando conta da Rua.



5 comentários:

Max disse...

"Importámos" milhões de pessoas em nome da globalização.

Para quem dizia "Olhem que isso vai gerar problemas" a resposta era só uma: "Racista!".

Agora chegou a altura dos problemas. Quem é o racista? Quem previu os problemas de hoje ou quem "armazenou" milhões de pessoas em ghettos nas periferias das idades, à espera que as grandes empresas concedam uns lugares de trabalho?

Nota: grande filme, como muitos de Carpenter na altura.

Abraço

Max

Mário Nunes disse...

Palavras certeiras Max.
Carpenter, o cineasta maldito de Hollywood anteviu os novos tempos.
Pena ter sido encostado, pois tinha ainda muito para nos dar.

Aiden McKenna disse...

tiveram lugar em (Saint Aignam),
Mont Saint-Aignan com a maioria da população argelina não cigana, são desempregados e muitos são pieds-noirs e seus descendentes isto é franceses nascidos na argélia

o clip é típico...dos americanos
foi pouco comercial, foi por esses fracassos que ele foi corrido


e as coisas estão boas em frança, há pequenas revoltas, já não há Maios de 68, são passado


tudo pacificado, desordeiros mas não revolucionários, mesmo os gregos apagaram-se

Aiden McKenna disse...

importaram-se milhões porque, numa europa envelhecida há necessidade
de braços para usar quando necessário.

Mário Nunes disse...

Foi pena os gregos se terem apagado, pelo menos mostraram que eram Homens e que os tinham no sítio enquanto isso nós cada vez mais nos assemelhamos a zombies de tão entorpecidos que andamos por uma informação que não corresponde à realidade.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...