sábado, abril 23, 2011

Expansão da atmosfera de Plutão baralha cientistas

Concepção artística de como a superfície de Plutão pode parecer. A imagem mostra manchas de metano puro na superfície.


Observações recentes de Plutão revelam que a atmosfera do astro gelado se expandiu consideravelmente desde 2000, e pela primeira vez, os astrónomos detectaram monóxido de carbono. Os resultados podem ser evidências de alterações sazonais do clima ligada à aproximação de Plutão do Sol, mas os cientistas ainda não têm certeza sobre como essas variações se desdobrar ao longo de uma órbita de 248 anos.

Há ainda quem levante a possibilidade do nosso sistema solar ser um sistema binário e que uma anã vermelha se esteja a aproximar de Plutão, acompanhada pelo seu séquito de planetas.

No entanto, para outros, para lá de Plutão, na periferia do nosso sistema solar e até ao sistema estelar mais próximo, existe a nuvem de Oort, que envolve o nosso sistema solar e é composta por cometas, gelo, meteoros e estranhos astros – Este é um assunto a que tenciono dedicar um artigo próximo.

Para os mais puristas (para aqueles que acreditam que a Ciência é feita de verdades absolutas e dogmas), Plutão é o único objecto em órbita no reino frígido além de Neptuno, que é conhecido por ter uma atmosfera. Essa ténue bainha de gás foi descoberto em 1988, quando o "planeta anão", passando entre a Terra e uma estrela distante, bloqueando parte da luz da estrela. Embora as observações telescópicas em vários comprimentos de onda desde o início de 1990, desde então, várias substâncias identificadas na superfície de Plutão gelos - incluindo azoto, metano e monóxido de carbono - o metano só havia sido detectado anteriormente em sua atmosfera.

Agora os cientistas podem adicionar o monóxido de carbono à mistura. Novas observações das emissões da atmosfera em vários comprimentos de onda, principalmente no comprimento de onda de 1,3 milímetros, denunciam a presença do gás, pela primeira vez. Porque o monóxido de carbono, provavelmente poderia ter sido observada por instrumentos em estudos anteriores, a sua presença recente provavelmente marca uma nova etapa na evolução da atmosfera de Plutão, sugerem os pesquisadores. Plutão foi descoberto apenas há cerca de 80 anos - menos de um terço do tempo que leva para fazer uma única órbita, observa o membro da equipa de Jane Greaves, um astrobiólogo da Universidade de St. Andrews, no Reino Unido, por isso "estamos vendo tudo o que acontece pela primeira vez. "

Embora o metano e o monóxido de carbono sejam os gases até agora detectados na atmosfera de Plutão, os cientistas esperam que, de longe, o maior constituinte seja o azoto, um gás que é difícil de detectar, devido às suas características suaves emissões em vários comprimentos de onda, Greaves diz. "É frustrante que desconhecermos cerca de 97% da atmosfera de Plutão".

As novas observações também revelam que a atmosfera de Plutão está crescendo. Os dados recolhidos por volta da passagem do século sugeriram que a atmosfera de Plutão é difusa e fria, estendida no máximo, a 135 quilómetros acima da superfície do planeta, diz Greaves. Mas ela agora vê indícios de uma expansão atmosférica - dados recolhidos por ela e os seus colegas no Observatório Astronómico do Mauna Kea, Havai, em 11 noites, entre Agosto de 2009 e Maio de 2010. A astrobiologa diz que a atmosfera de Plutão agora chega a altura de mais de 3000 quilómetros - uma distância de quase um quarto do caminho para Caronte, a maior lua de Plutão. "Este não é o que esperávamos", diz Graves. "A atmosfera mudou tão dramaticamente."

Plutão percorre uma órbita altamente elíptica e por último passou mais próximo ao sol em 1989. Muitos cientistas planetários esperam que a atmosfera de Plutão comece a diminuir conforme a esfera de gelo começar a recuar a partir de calor do sol. A expansão imprevista pode estar relacionada com mudanças na escuridão da superfície do planeta há uma década ou mais atrás, que pode ter causado alterações à superfície gelada ao absorver mais radiação solar e de forma mais eficiente a evaporar. Ou, sugere Greaves, as variações de longo prazo na produção ultravioleta do sol, as alterações relacionadas com o ciclo de aproximadamente 11 anos de actividade solar, podem estar desempenhando um outro papel – Aquecimento Solar. A equipa apresentará brevemente os resultados obtidos, numa reunião da Royal Astronomical Society, em Llandudno, no Reino Unido.

As recentes mudanças na atmosfera, bem como a sua calendarização, são um facto inesperado, diz Peter Barnes, um astrónomo da Universidade da Flórida, em Gainesville. "Plutão é, obviamente, um planeta muito mais dinâmico do que se esperava."

Os estudos actuais são apenas uma amostra do que está por vir, quando a sonda New Horizons da NASA, a missão que se aproxima de Plutão. A complexa sonda, lançada em 2006, está a meio caminho de Plutão, chegando a Plutão e seus companheiros orbitais (Caronte, Nix e Hidra), em 2015.

1 comentário:

Cynthia disse...

Plutão é o planeta da transformação, trasmutação. É do signo de Escorpião. Legal, abraço Cynthia

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...