quarta-feira, janeiro 09, 2008

Greenpeace Portugal


A Greenpeace é uma organização não-governamental ecologista com sede em Amesterdão, Holanda e encontra-se diseminada por quarenta e um países.

Actua internacionalmente em questões relacionadas à preservação do meio ambiente e desenvolvimento sustentável, com campanhas dedicadas às áreas de florestas tropicais (Amazónia), aquecimento global, energia nuclear, energias renováveis, engenharia genética, substâncias tóxicas e oceanos.

A organização, criada em 1971 no Canadá por imigrantes americanos, é financiada com o dinheiro de pessoas físicas apenas, não aceitando recursos de governos ou empresas. Tem actualmente cerca de três milhões de colaboradores em todo o mundo, que doam quantias mensais que variam de acordo com o país. Recebe ainda doações de equipamentos e outros bens materiais, usados geralmente nas campanhas e acções do grupo.

A Greenpeace age politicamente nos países subdesenvolvidos no intuito de promover o seu progresso. Buscam sensibilizar a opinião pública através de actos, publicidades e outros meios.

A actuação da Greenpeace é baseada nos pilares filosóficos-morais da desobediência civil e tem como princípio básico o testemunho presencial e a acção direta.

Entre os primeiros activistas que ajudaram a fundar a organização na década de 1970

As campanhas, protestos e acções da Greenpeace procuram atrair a atenção dos meios de comunicação social para assuntos urgentes e assim confrontar e constranger os que promovem agressões ao meio ambiente. Dessa forma o grupo conseguiu ao longo de sua história algumas importantes vitórias como o fim dos testes nucleares no Alasca e no Oceano Pacífico, o encerramento de um centro de testes nucleares americano, a proibição da importação de pele de morsa pela União Europeia, a moratória à caça de baleias e a protecção da Antártida contra a exploração mineira. No Brasil, a Greenpeace conseguiu vitórias principalmente na Amazónia, denunciando a extracção ilegal de madeira.

Os oceanos necessitam da sua ajuda!


Os oceanos estão em perigo. Muitos cientistas acreditam que a principal ameaça a esses ecossistemas é a exploração excessiva.


Se as coisas continuarem assim, daqui por algum tempo, os oceanos ficarão vazios. Para que isso não aconteça, a Greenpeace entra em acção para que amanhã possamos continuar a ter peixe e para proteger os nossos oceanos.

Precisamos de si!


Durante os próximos três anos, a Greenpeace tem a oportunidade de trabalhar na Europa para parar a comercialização de peixe capturado em zonas sobre-exploradas, ou capturado através de técnicas piscatórias insustentáveis. Desta forma, vamos agir para que as políticas de compra de peixe sejam clarificadas e melhoradas.



O primeiro passo é ir ao supermercado mais próximo recolher informação sobre o peixe que está à venda. Como consumidor, tem o direito de saber a origem do peixe que compra!



Olhamos com esperança para o momento de começar a trabalhar em conjunto para um futuro verde e pacífico!

Recolha de informação nos supermercados…

http://www.greenpeace.org/portugal/

4 comentários:

Clavis disse...

“A comunidade a que o propomos é o Povo não realizado que actualmente habita Portugal, a Guiné, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, o Brasil, Angola, Moçambique, Macau, Timor, e vive, como emigrante ou exilado, da Rússia ao Chile, do Canadá à Austrália” – (“Proposição”, in Dispersos, Lisboa, ICALP, 1989, p. 617).

1 – O Movimento Internacional Lusófono é um movimento cultural e cívico que visa mobilizar a sociedade civil para repensar e debater amplamente o sentido e o destino de Portugal e da Comunidade Lusófona.
2 - As nações e os 240 milhões de falantes da Língua Portuguesa em todo o mundo constituem uma comunidade histórico-cultural com uma identidade, vocação e potencialidade singular, a de estabelecer pontes, mediações e diálogos entre os diferentes povos, culturas, civilizações e religiões, promovendo uma cultura da paz, da compreensão, da fraternidade e do universalismo à escala planetária.
3 – Os valores essenciais da cultura lusófona constituem, junto com os valores essenciais de outras culturas, uma alternativa viável à crise do actual ciclo de civilização economicista e tecnocrático, contribuindo, com o seu humanismo universalista e sentido cósmico da vida, para uma urgente mutação da consciência e do comportamento, que torne possível uma outra globalização, a do desenvolvimento das superiores possibilidades humanas e da harmonia ecológica, possibilitando a utilização positiva dos actuais recursos materiais e científico-tecnológicos.
4 – As pátrias e os cidadãos lusófonos devem cultivar esta consciência da sua vocação, aproximar-se e assumir-se como uma comunidade fraterna, uma frátria, aberta a todo o mundo. A comunidade lusófona deve assumir-se como uma comunidade alternativa mundial – uma pátria-mátria-frátria do espírito, a “ideia a difundir pelo mundo” de que falou Agostinho da Silva – que veicule ideias, valores e práticas tão universais e benéficas que todos os cidadãos do mundo nelas se possam reconhecer, independentemente das suas nacionalidades, línguas, culturas, religiões e ideologias. A comunidade lusófona deve assumir-se sempre na primeira linha da expansão da consciência, da luta por uma sociedade mais justa, da defesa dos valores humanos fundamentais e das causas humanitárias, da sensibilização da comunidade internacional para todas as formas de violação dos direitos humanos e dos seres vivos e do apoio concreto a todas as populações em dificuldades. Para que isso seja possível, cada nação lusófona deve começar por ser exemplo desses valores.
5 – A identidade e vocação histórico-cultural da comunidade lusófona terá expressão natural na União Lusófona, a qual, pelo aprofundamento das potencialidades da actual Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, constituirá uma força alternativa mundial, a nível cultural, social, político e económico. Sem afectar a soberania dos estados e regiões nela incluídos, mas antes reforçando-a, a União Lusófona será um espaço privilegiado de interacção e solidariedade entre eles que potenciará também a afirmação de cada um nas respectivas áreas de influência e no mundo. Ou seja, no contexto da União Lusófona, a Galiza e Portugal aumentarão a sua influência ibérica e europeia, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné, Angola e Moçambique, a sua influência africana, o Brasil a sua influência no continente americano e Timor a sua influência asiática, sendo ao mesmo tempo acrescida a presença de cada um nas áreas de influência dos demais e no mundo. Sem esquecer Goa, Damão, Diu, Macau, todos os lugares onde se fale Português e onde a nossa diáspora esteja presente, os quais, embora integrados noutros estados, serão núcleos de irradiação cultural da União Lusófona.
6 - No que respeita a Portugal e à Galiza, este projecto será assumido em simultâneo com o estreitamento de relações culturais com as comunidades autónomas de Espanha, promovendo aí a cultura galaico-portuguesa e contrabalançar a influência espanhola em Portugal. O mesmo deve acontecer entre o Brasil e os países da América do Sul. Galiza, Portugal e Brasil, bem como as demais nações de língua portuguesa, devem afirmar sem complexos os valores lusófonos nas suas respectivas áreas de influência.
7 – A construção da União Lusófona, com os seus valores próprios, exige sociedades mais conscientes, livres e justas nos estados e regiões lusófonos. Em cada um desses estados e regiões, cabe às secções locais do Movimento Internacional Lusófono, dentro destes princípios essenciais e em coordenação com as dos restantes estados e regiões, apresentar e divulgar propostas concretas, adequadas a cada situação particular, pelos meios de intervenção cultural, social, cívica e política que forem mais oportunos.

Se quiser aderir a este Movimento ou formar um "Núcleo MIL", envie-nos um mail para novaaguia@gmail.com (http://novaaguia.blogspot.com)

Anónimo disse...

este site não presta é tudo mentira !!
seus mentirosos

Mário Nunes disse...

Uma opinião como muitas outras.
Fica registada.
E um convite crie um blog e faça melhor.
Não basta só criticar é preciso construir.
Cumprimentos.

angel disse...

Sem dúvida, um bom blog.
Parabéns.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...