terça-feira, Maio 15, 2012

Novo planeta encontrado no nosso sistema solar?


Muito, me tem espantado ultimamente, a insuspeita revista da National Geographic Society (versão inglesa), então parece que o nosso Sistema Solar não será aquilo que aparenta ser?… Poderá ser muito maior ou estarão para nos apresentar brevemente um sistema binário?
Para lá dos plutoídes ou planetas secundários, muito para lá de Neptuno ou Plutão, suponha-se que existiam um planeta joviano com quatro vezes a massa de Júpiter (Thetys?) e cinco plutoídes (todos estes planetas foram  descobertos há muito pouco tempo).

Esperem lá, há aqui uma coisa que não entendo…

Como é possível detectar planetas e outros corpos celestes a centenas de anos-luz?
No entanto não conseguimos enxergar direito o que se passa nas fronteiras do nosso Sistema Solar. Como é possível?
Desculpem lá mas algo não bate certo. Ah, concordam comigo!?

No entanto eis que nos anunciam a bomba…
Um planeta ainda não descoberto pode estar orbitando nas franjas escuras do sistema solar, de acordo com uma nova pesquisa.

Muito longe para ser facilmente localizado por telescópios, o planeta potencial invisível parece estar a fazer sentir a sua presença por perturbar as órbitas dos chamados objectos do cinturão de Kuiper, disse Rodney Gomes, um astrónomo do Observatório Nacional do Brasil no Rio de Janeiro.

Objectos do cinturão de Kuiper são pequenos corpos de gelo, incluindo alguns planetas anões, que se encontram além da órbita de Neptuno.


Uma vez considerado o nono planeta do nosso sistema, o planeta anão Plutão, por exemplo, é um dos maiores objectos da Cintura de Kuiper, com cerca 2.300 quilómetros de largura. Dezenas de outros objectos tem centenas de quilómetros de diâmetro, e mais estão sendo descobertos a cada ano.

O que é intrigante, Rodmey Gomes disse, é que, de acordo com seus novos cálculos, cerca de meia dúzia de objectos de cinturão de Kuiper, incluindo o corpo remoto conhecido como Sedna estão em órbitas estranhas em relação a onde deveriam estar, com base nos actuais modelos de sistemas solares.

Órbitas dos objectos inesperados tem algumas explicações possíveis, disse Gomes, que apresentou suas conclusões terça-feira em uma reunião da Sociedade Astronómica Americana, em Timberline Lodge, Oregon.

"Mas acho que o mais fácil é um companheiro planetário-massa solar", um planeta que orbita muito longe do sol, mas que é enorme o suficiente para ser ter efeitos gravitacionais sobre objectos do cinturão de Kuiper.



Para o novo trabalho, Gomes analisou as órbitas de 92 objectos do cinturão de Kuiper, e depois comparou os  seus resultados com os modelos computacionais de como os corpos devem ser distribuídos, com e sem um planeta adicional.

Se não há mundo distante, conclui Gomes, os modelos não produzem as órbitas altamente alongadas que vemos em seis dos objectos.

Como exactamente o grande corpo planetário pode não ser é claro, mas há um monte de possibilidades, Gomes acrescentou.

Baseado em seus cálculos, Gomes acredita que um mundo do tamanho de Neptuno, cerca de quatro vezes maior que a Terra, orbitando a225 bilhões de quilómetros de distância do sol, mais cerca de 1.500 vezes que a Terra - faria o truque.

Mas isso seria uma órbita altamente alongada que ocasionalmente traria o seu séquito para dentro de 5 bilhões de quilómetros a 8 bilhões de quilómetros do sol.


Gomes especula que o objecto misterioso pode ser um planeta desonesto que foi expulso do seu sistema com a própria estrela (anã vermelha? ou anã castanha?) e, posteriormente, capturado pela gravidade do sol.

Ou o planeta  poderia ter-se formado mais próximo ao nosso Sol, só que foi lançado fora por encontros gravitacionais com outros planetas.

No entanto, na verdade, encontrar um mundo assim seria um desafio.

Além disso, as simulações de Gomes não apontam aos astrónomos qualquer indício a respeito de para onde apontar seus telescópios "que pode estar em qualquer lugar", disse ele.

Outros astrónomos estão intrigados, mas dizem que vão querer uma prova muito mais consistente antes de concordarem que o sistema solar tem de novo nove planetas.

"Obviamente, encontrar um outro planeta no sistema solar é uma grande descoberta", disse Rory Barnes, astrónomo da Universidade de Washington. Mas, acrescentou, "Eu não acho que ele realmente tem alguma evidência que sugere que ele está lá fora."

Em vez disso, ele acrescentou, Gomes "traçou um caminho para determinar como um planeta capaz de esculpir peças de nosso sistema solar. Assim, enquanto, sim, a prova ainda não existe, eu pensei que o maior ponto foi que ele nos mostrou que existem maneiras de encontrar essas evidências. "

Douglas Hamilton, um astrónomo da Universidade de Maryland, concorda que as novas descobertas estão longe de serem definitivas.

"O que ele mostrou em seus argumentos de probabilidade é que ele é ligeiramente mais provável. Ele não tem uma arma fumegante ainda."

E Hal Levison, um astrônomo do Southwest Research Institute em Boulder, Colorado, diz que não é certo o que fazer com conclusão de Gomes.

"Parece surpreendente para mim que um companheiro tão pequeno como Neptuno poderia ter o efeito que ele vê", disse Levison.

Mas "Eu sei que Rodney sabe, e tenho certeza que ele fez os cálculos direito."

1 comentário:

Anónimo disse...

Tá bem estranho isso aí....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...